O que eu fiz errado na aprendizagem autodidata de tecnologia

Durante os últimos (quase) três anos tenho diariamente estudado, trabalhado e colocado em prática conhecimentos de tecnologia que adquiri quando decidi mudar de área. Acontece que o processo de estudar uma coisa totalmente nova, do zero e sozinha, não foi o grande mar de rosas que dizem os posts sobre autodidatas por aí, mas por sorte, você pode aprender com os erros que eu cometi - e quem sabe isso facilite o seu processo de aprendizagem.

Todas os tópicos abordados nesse texto são baseados na minha experiência pessoal e claro, pode não se aplicar diretamente ao seu momento de vida, carreira ou estudos.


Subestimei as bases de computação

Após entender algumas das áreas que poderia trabalhar em tecnologia eu decidi que queria ser uma desenvolvedora front end e com isso, fui fazer pesquisas sobre o que eu deveria estudar. Nesse processo, encontrei listas enormes de frameworks e posts de “melhores linguagens de programação”, ainda não convencida eu começei a trocar ideias com algumas pessoas em meetups* e recebi os conselhos de que deveria aprender HTML e CSS, pois essas seriam as bases importantes antes de partir para algum framework ou linguagem de programação. Bom, deu certo - mas não da melhor maneira. Acontece que com o tempo eu comecei a não entender coisas como a lentidão de algumas aplicações que desenvolvia, o porquê de algumas coisas se comportarem de maneiras distintas em determinados ambientes e até a resolver problemas de lógica mais complexos (e que me economizariam uma ótima quantidade de linhas de código). Tudo isso se deu pelo fato de que eu pulei etapas importantes e que no dia a dia fariam meu código ser mais limpo, legível, leve e eficaz. A ânsia por ver as coisas acontecendo na tela e de aprender algo “mais fácil” acabou complicando muito mais as coisas para a Carol do futuro. Se você hoje quer aprender ou está aprendendo a programar recomendo fortemente que estude Lógica, como funciona a internet, como funcionam computadores e programas, estrutura de dados, arquitetura etc. A pessoa programadora do futuro vai te agradecer por facilitar a vida dela.

Li demais, pratiquei de menos

Essa é a clássica. Quando se procura por qualquer tipo de conteúdo de tecnologia na internet você encontra inúmeros posts, tutoriais, tweets, videos e agora até podcasts com maneiras diferentes de se fazer as coisas, porém, isso me trouxe um desvio de foco absurdo e uma neura sem tamanho de ficar verificando as informações em lugares diferentes - o que atrapalhou não só a quantidade da prática, mas também a qualidade dela. Acredito que a melhor maneira de se aprender algo é também praticar - mas não de qualquer jeito - com foco. Ter ciclos de descanso e finalizar algo que você começou, desde aquele simples CSS até uma aplicação por completo. A falta de prática nos coloca num estado inseguro e ansioso por mais tutoriais e informações que não vão conseguir compreender até ver aquilo funcionando, para assim saber onde temos mais dificuldades e podermos ser assertivos e eficazes com as pesquisas.

Estudei de maneira desconexa

Este tópico é totalmente relacionado ao anterior, por conta da grande quantidade de conteúdo, evento e pessoas dispostas a ajudar me deu aquela vontade de aprender um pouco de tudo sabe? E veja, isso não é ruim, mas para quem está estudando (principalmente no meu caso, que era uma transição de carreira) é importante uma lineariedade nos estudos, se as coisas não estiverem correlacionadas muito dificilmente a gente consegue resolver algum problema, dar uma manutenção ou entender aquele código posteriormente. Você pode sim querer (e é ótimo isso)saber sobre um pouco de cada área, mas tenha um objetivo claro de como isso se relacionaria com o que você precisa saber hoje e se for o caso, guarde o assunto para ser visto em um outro momento.

Não segui um cronograma

Estudos eficazes são ciclícos e precisam de repetição e conexão. Como você já pode perceber acima, a minha ansiedade de ver as coisas acontecerem e de aprender muito, fez com que eu me atrapalhasse no processo, tivesse horários estranhos de estudo, quantidades sempre exageradas e pouca eficassia. Com o tempo eu percebi a importancia de aprender a estudar direito, com um tempo dedicado, foco e ter claro o que eu precisava fazer naquele momento - uma agenda de estudos mesmo.

Segunda das 07:00 as 08:00 - Styled Components
Terça das 19:00 as 20:00 - Git avançado

No meu método de estudar hoje, eu uso um board no Trello com os cursos que estou fazendo (nunca faço mais de 2 ao mesmo tempo), cada card eu transformo em um módulo do curso e vou movendo conforme ele vai sendo feito. Também uso o Pocket para salvar textos e artigos que quero ver depois e nos minutos finais de estudos eu os leio, se for algo simples eu já tiro da lista assim que terminar e se for mais complexo eu crio um card para estudá-lo depois. Intercalo os cursos e faço conforme posso, tento reservar uma hora por dia (de segunda à sexta) e se possível deixo que os assuntos sejam relacionados para facilitar o aprendizado.

Neguei a importância da academia

O acesso a universidade é elitista e exclusor, esse tópico é do ponto de vista de alguém que tem o privilégio de poder cursar uma, mas que escolheu não fazer.

Eu que já tinha feito um curso de quatro anos, que tinha me tirava a energia por ter que cruzar a cidade no ritmo casa > trabalho > faculdade, tinha pavor em ouvir sobre pisar numa universidade de novo. Tinha planos futuros de quem sabe fazer um mestrado, mas isso muito lá com a Carol do futuro meeeeesmo. Me escondi no quentinho de conseguir aprender as coisas online e com alguns cursos presenciais e começei a espalhar a a premissa simplista de que em tecnologia não precisa fazer faculdade - até porque você não aprende a programar na faculdade e blá blá blá. Realmente eu não conheço ainda uma pessoa que programa dizendo que aprendeu isso na faculdade, mas ai que tecnologia é bem mais que escrever código…lembra do tópico lá em cima sobre as bases de computação? Então! Aprende na faculdade. Pesquisa,matemática, desenvolvimento de soluções através de tecnologia e até aquela possibilidade de trabalhar no exterior é facilitada com seu diploma na mão. Por isso eu repito, você não precisa cursar uma graduação ou algo do tipo, mas se puder, faça - isso faz diferença não só para a sua jornada profissional mas também para o mercado em si. E ah, a Carol do futuro vai cursar Análise e desenvolvimento de sistemas :)

Descansei Pouco

Repete comigo: Qualidade não é quantidade. Qualidade não é quantidade. Qualidade não é quantidade. Pois bem, diminui horas de sono, de diversão e de ócio pra ficar estudando e só eu sei como isso acabou comigo. Aumentou a dificuldade de foco, de entendimento e de conectar os conteúdos por conta dessa pressa. Claro que em alguns momentos precisamos sacrificar um pouco dessas coisas, mas ter isso como prática, não é nada sustentável. Estude um pouco por dia, pratique, matenha frequência e descanse - andar um pouco todo dia é melhor que correr um dia só.


Abaixo, algumas coisas que eu gostaria de ler/conhecer antes desse processo e que pode te ajudar:


*meetups: encontros que acontecem online ou presencialmente organizados pela plataforma Meetup e que abordam assuntos diversos. _________

Se você gostou desse texto, tem alguma experiência pra compartilhar ou alguma crítica a fazer - use e abuse dos comentários, eu vou adorar a sua participação. Aproveita e compartilha nas suas redes, grupos e com pessoas que possam gostar :)